31 de dezembro de 2017

Tenho pena e não respondo

«Tenho pena e não respondo.
Mas não tenho culpa enfim
De que em mim não correspondo
Ao outro que amaste em mim.

Cada um é muita gente.
Para mim sou quem me penso,
Para outros — cada um sente
O que julga, e é um erro imenso.

Ah, deixem-me sossegar
Não me sonhem nem me outrem.
Se eu não me quero encontrar,
Quererei que outros me encontrem?»

Fernando Pessoa
26-8-1930

Novas Poesias Inéditas. Fernando Pessoa. (Direcção, recolha e notas de Maria do Rosário Marques Sabino e Adelaide Maria Monteiro Sereno.) Lisboa: Ática, 1973 (4ª ed. 1993). - 50.


Apolo, de Nadir Afonso (acrílico sobre tela, 2007),
fotografia captada no Museu de Arte Contemporânea Nadir Afonso, em Chaves,
dez 2017

12 de dezembro de 2017

Quando o amor chega

«Sarah Kay e Phil Kaye do Projeto VOICE interpretam "When Love Arrives", um poema da sua autoria sobre as expectativas e as realidades do amor. Este poema fez parte de sua atuação no Malthouse Theatre em Melbourne, Austrália, organizado pela revista Dumbo Feather (2012), e o vídeo original já teve mais de 3,8 milhões de visualizações.

Projeto VOICE (Vocal Outreach Into Creative Expression) é um movimento que celebra e inspira a auto-expressão dos jovens através da poesia falada. Concebido em 2004, este projeto encoraja os jovens a envolverem-se com o mundo ao seu redor e usam a poesia falada como um instrumento através do qual elas possam explorar e compreender melhor sua cultura, sua sociedade e, finalmente, elas mesmas. »
Fonte: tradução do texto do vídeo original

Com os agradecimentos e os parabéns à amiga Ana Isabel Ferreira, que me deu esta linda prenda no seu dia de aniversário, que tive de partilhar :)

26 de março de 2017

E há poetas que são artistas


«E há poetas que são artistas
E trabalham nos seus versos
Como um carpinteiro nas tábuas!...

Que triste não saber florir!
Ter que pôr verso sobre verso, como quem constrói um muro
E ver se está bem, e tirar se não está!...

Quando a única casa artística é a Terra toda
Que varia e está sempre boa e é sempre a mesma.

Penso nisto, não como quem pensa, mas como quem não pensa.
E olho para as flores e sorrio...
Não sei se elas me compreendem
Nem se eu as compreendo a elas,
Mas sei que a verdade está nelas e em mim
E na nossa comum divindade
De nos deixarmos ir e viver pela Terra
E levar ao colo pelas Estações contentes
E deixar que o vento cante para adormecermos,
E não termos sonhos no nosso sono.»

Alberto Caeiro , O Guardador de Rebanhos, XXXVI, em "Fernando Pessoa, Poemas escolhidos de Alberto Caeiro", Assírio & Alvim, edição 2013